Cirurgião Marcelo Heidrich explica o que é a vasectomia

A vasectomia é uma cirurgia para esterilização do homem, portanto, indicada para aqueles que não desejam ter mais filhos. Segundo o cirurgião-geral Marcelo Marcos Heidrich, trata-se de um procedimento relativamente simples e que não precisa de internação, podendo ser realizado no ambulatório com anestesia local.

“A cirurgia dura em média 20 minutos e após o procedimento o paciente já pode voltar para casa, com recomendação para que fique em repouso por dois dias. É importante destacar que a vasectomia é um procedimento muito mais simples que a laqueadura, realizada em mulheres. Apesar disso, por falta de conhecimento, muitos homens ainda resistem”, diz Marcelo Heidrich.

A vasectomia interrompe a circulação dos espermatozoides por meio de um corte no canal deferente, responsável por conduzir os espermatozoides dos testículos até o pênis. Desta forma, segundo Marcelo Heidrich, o líquido ejaculado passa a conter apenas secreções da vesícula seminal e próstata. “Os espermatozoides acumulados são absorvidos. Após um tempo, as células produtoras entram em hibernação e a produção de espermatozoides é cessada”, explica.

No entanto, após a cirurgia, Marcelo Heidrich destaca a necessidade de métodos contraceptivos durante as relações sexuais nos primeiros 60 dias. “É preciso ao menos 25 ejaculações para garantir que não há mais espermatozoide no canal. Além disso, é indicado que seja feito um espermograma dois meses após a cirurgia para verificar o sucesso da vasectomia”, enfatiza o cirurgião-geral.

Um dos temores infundados e, talvez, principal responsável pela resistência da maioria dos homens em optar pela vasectomia, de acordo com Marcelo Heidrich, é em relação desempenho sexual. “A vasectomia é responsável apenas por fazer com que a ejaculação não tenha espermatozoides. Sendo assim, o homem continuará com seu desejo sexual inalterado, assim como o volume da sua ejaculação”, esclarece.

Na opinião do cirurgião Marcelo Marcos Heidrich, entre as vantagens do procedimento, além da rapidez e simplicidade, está o maior controle para evitar a gravidez, tendo em vista que, após cerca de três meses, não será mais necessário que a mulher utilize métodos anticoncepcionais, como pílulas ou injeções.

Por outro lado, a vasectomia não protege contra as doenças sexualmente transmissíveis. “É fundamental que o homem continue usando camisinha em toda relação sexual para se prevenir de doenças como HIV, sífilis, HPV e gonorreia, principalmente se tiver mais que uma parceira sexual”, alerta Marcelo Heidrich.

Apesar de ser considerada um método contraceptivo definitivo, é possível garantir, em alguns casos, a reversão desse procedimento. No entanto, a cirurgia de reversão é mais complicada que a vasectomia, e a maior taxa de sucesso é conseguida quando a reversão é feita antes dos primeiros 10 anos de cirurgia.

“Com o tempo, o corpo deixa de produzir espermatozoides e começa a produzir anticorpos que eliminam os espermatozoides produzidos. Por isso que, após vários anos, mesmo que o corpo volte a produzir, os espermatozoides podem não ser férteis, dificultando a gravidez. É por essa razão que, ao optar pela vasectomia, o homem deve ter a certeza de que não pretende ter mais filhos”, finaliza o cirurgião Marcelo Marcos Heidrich.

Ultimas notícias